Como montar uma lente muito antiga em sua câmera digital

Quantas vezes você viu uma lente muito antiga, imaginou se seria possível fazê-la funcionar em sua câmera digital e, quando foi buscar conhecer suas especificações, verificou que não existia adaptador para a lente por ser um tipo exótico ou muito antigo. Isso é muito comum quando a objetiva é muito antiga ou não foi produzida exatamente para fotografia, como é o caso das lentes de projeção como esta AMAR polonesa:foco_Infinito-01

Para usar uma lente desse tipo em sua câmera digital, você deverá apelar para sua criatividade. Antes de mais nada, você necessitará saber duas informações básicas sobre a objetiva:
Tipo de encaixe (mount) – Com essa informação você definirá o tipo de adaptador que deverá utilizar no corpo (barrel) que fará a ligação dela com a câmera.
Distância de registro – Com essa informação você definirá o comprimento do corpo (barrel) em que ela deverá ser montada para obter foco infinito preciso.

Nem sempre você encontrará esse tipo de informação disponível na internet, e quanto menos conhecida for a lente, mais difícil será obter informação sobre ela. Mas não desanime, pois vou passar algumas dicas que podem ajudar na solução.

Para saber o tipo de encaixe (mount) da objetiva basta observar a parte traseira da objetiva e comparar com as que relacionei nestes links:
Encaixes de rosca
Encaixes tipo baioneta
Encaixes tipo culatra
Caso o encaixe seja de rosca e não siga o padrão M39 ou M42, então você precisará encontrar ajuda profissional para produzir a rosca de encaixe. Uma boa empresa de usinagem pode medir e reproduzir essa rosca para você, e até mesmo montar essa rosca no corpo (barrel), que pode ser um tubo metálico de diâmetro compatível com a abertura traseira da objetiva.

A partir daí é necessário medir a distância de registro da objetiva para definir o comprimento do corpo (barrel) ou tubo que vai ser usado. Para isso você poderá usar um fole (ou bellows), uma antiga ferramenta muito usada para fotografia macro no passado, que é muito útil para esse tipo de aferição. Veja abaixo a imagem de um bellows montado em uma Canon EOS que usei para aferir a distância de flange da lente de projeção AMAR mostrada anteriormente:foco_Infinito-03

Monte o bellows em um tripé e procure focalizar uma paisagem onde a linha do horizonte tenha contornos bem definidos ou mesmo árvores, construções ou torres que sirvam de referência. Abra o diafragma da objetiva na abertura máxima e depois, utilizando a função “live view” de sua câmera, amplie o centro da foto ao máximo para obter o maior detalhe possível da linha do horizonte no visor LCD da câmera. Movimente o bellows para frente e para trás até obter foco bem nítido, então trave a parte móvel do bellows. Verifique e anote a distância entre o flange da câmera e o flange da lente, pois este será o comprimento do corpo (barrel) em que a objetiva deverá ser montada para proporcionar foco infinito perfeito. Note que, caso a objetiva tenha um anel de foco, então você deverá ajustá-lo à posição de infinito antes dessa aferição.

Para o fechamento da parte traseira desse novo corpo (barrel) utilize um adaptador M42-EOS ou mesmo um M39-EOS, pois ambos são muito fáceis de montar no corpo (barrel) utilizando rosca ou mesmo solda.

Caso sua lente exótica não tenha anel de foco, então você deverá montá-la em um tubo adaptador com helicóide, que pode ser encontrado no Ebay por um preço razoável, dependendo da distância do percurso do helicóide.

Fiz minha primeira experiência desse tipo com uma lente ILEX montada em um shutter Nº3 Acme Synchro. Tive sorte em encontrar um corpo de uma objetiva Revuenon Special 135mm que foi perfeito para a distância de flange da ILEX, que originalmente funcionava em uma caixa de grande formato. Como a Revuenon tinha um curso razoável no anel de foco, foi possível usar a ILEX como uma mini-tele. E assim a velha ILEX passou a fazer ótimas fotos em minha 5D. Veja como ficou:Ilex-01Ilex-02Footer